Pular para o conteúdo principal

Expedição Jalapão (com criança pequena) - tudo que você precisa saber!

 

Quando ir ao Jalapão? A melhor época para visitar o Jalapão é de maio a setembro (temporada seca).
Como chegar? 
Primeiro você deve pegar um voo até Palmas - Tocantins.
O ideal é chegar no dia anterior ao início da expedição, pois o início dela se dá às 7h da manhã. Na volta, também é aconselhável pernoitar em Palmas para evitar qualquer imprevisto.
Hospedagem Palmas: Indico o Select Hotel - fica bem no centro, sendo possível ir caminhando até um shopping e o ifood tem bastante opção para entrega. Na volta, ficamos em um hotel mais próximo ao aeroporto, mas já não curti. O ifood praticamente não entregava lá. Tinham pouquíssimas opções de restaurantes.

Jalapão com agência ou por conta própria? Sem sombras de dúvidas com agência.
De Palmas até o Jalapão são aproximadamente 4 horas de estrada sendo metade do caminho estrada de terra, com muitos buracos (obstáculos eu diria hehe), pouquíssima sinalização e sem rede de telefone e internet.
Indico a agência @jalapão10 de olhos fechados! Além de ter sido o preço mais em conta que encontrei, o atendimento deles foi impecável. Nosso guia Roger sempre nos levando nos atrativos nos melhores horários, evitando filas e aglomerações.

O que está incluso na expedição:
Translado Palmas - Jalapão / Jalapão - Palmas em carro 4x4 
Guia credenciado e experiente
Serviço de bordo (água e lanches)
Entrada em todos os atrativos
Hospedagem em Ponte Alta, Mateiros  São Felix 
Café da manhã, almoço e Jantar 

Não incluso: bebidas alcoólicas, refrigerantes,
passeios opcionais (tirolesa lagoa do Japonês - R$40, rafting - R$ 200, amanhecer Serra do Espírito Santo - R$150). 

Valor: R$  2.500,00 por pessoa à vista ou parcelado no cartão com adicional.
A Laura tem 2 anos e foi cortesia* A Jalapão 10 foi a única empresa que nos concedeu esse benefício. As outras que eu cheguei a solicitar orçamento cobraram o dela (o que eu achei bem desnecessário já que nem hotéis cobram a estadia de crianças na idade dela).

Vale lembrar que o valor pode sofrer alteração de acordo com a temporada*

Minha experiência com minha filha de 2 anos:
Jalapão é perrengue com ou sem crianças, pois são muitas horas de viagem e deslocamentos entre os atrativos. Levei a Laura porque ela está acostumada a viajar - principalmente de carro. Ela sempre dorme e fica poucas horas acordada - o que facilita bastante. Se seu filho ainda não anda e é agitado (dorme pouco) eu já não recomendaria esta viagem.
Laura aproveitou bastante todos os atrativos! 
Itens indispensáveis na mala: roupa de banho com proteção uv, protetor solar, repelente, bóia, 2 tolhas de secagem rápida, roupas leves, chinelo tipo crocs. 


O roteiro: 
Escolhemos o roteiro de 5 dias
Deu pra conhecer tudo com calma.

Dia 1:

1.1 Palmas - Jalapão
1.2 Lagoa do Japonês com almoço
1.3 Pôr do sol na Pedra furada
Hospedagem na pousada Coelho - Ponte Alta /TO

1.1 Lagoa do Japonês:
A Lagoa, na verdade, faz parte das Serras Gerais, mas também pode ser inclusa no roteiro do Jalapão. Ela é linda, mas a parte principal mesmo é essa das fotos, onde tem a gruta.
A água é muito cristalina e cheia de peixinhos.
Obs.: Vá de papete, crocs ou satatilhas aquáticas, pois há muitas pedras cortantes.
No local tem sapatilhas para alugar por R$ 10, mas não dá para contar, pois, se o local estiver cheio, as sapatilhas podem esgotar.




Pedra Furada:
Cartão Postal e não é atoa.
A Pedra furada, na verdade, é um grande bloco de arenito que foi esculpido naturalmente pela ação dos ventos e das chuvas. O processo erosivo formou diversos portais magníficos.
Atualmente existe um tempo de permanência de 20 minutos durante os horários de pico.
Nosso guia nos levou no horário certo para vermos o sol se pondo.





Dia 2:
2.1 Canion Sussuapara
2.2 Cachoeira da Velha (fotos)
2.3 Prainha Rio Novo
2.4 Morro Saca Trapo (fotos)
2.5 Paredão das Dunas (pôr do sol)
Hospedagem na pousada Recanto do Jalapão - Mateiros / TO

2.1 Cânion Sussuapara
Leva esse nome por conta do veado (bambi*) que habita a região. O cânion não é muito grande. Seus paredões de pedra com 12 metros de altura formam uma cortina com a vegetação e água que brota durante todo o ano, independente da seca. No fundo do cânion, uma pequena cascata de água que ajuda a refrescar.

2.2 Cachoeira da Velha
Maior cachoeira da região, porém, não própria para banho devido a força da água. É possível vê-la do mirante ou, para chegar mais pertinho, fazer rafting.
2.3 Prainha Rio Novo
Localizada a poucos metros da Cachoeira da Velha, tem longa faixa de areia branca, água tranquila e muita sombra para relaxar. 
obs.: para fugir das picadas de mosquitos passe a maior parte do tempo no rio ou passe bastante repelente.
2.4 Morro do Saca trapo (fotos)


Árvore dos desejos
2.5 Paredão das Dunas
Mais uma experiência incrível. Mais um pôr do sol incrível para encerrar o segundo dia de expedição.

Dia 3:
3.1 Cachoeira da Formiga
3.2 Fervedouro do Ceiça
3.3 Fervedouro Encontro das Águas
3.4 Fervedouro Buriti 
Hospedagem na pousada Recanto do Jalapão

3.1 Cachoeira da Formiga
A cachoeira mais linda, com as águas mais cristalinas e quentinhas que eu já vi!
Chegamos em um horário estratégico - estava vazia. Sendo possível tirar muita fotos sem ninguém fazendo figuração.

3.2 Fervedouro do Ceiça
Finalmente conhecendo um Fervedouro!
Imagine um lugar, na nascente de um rio, cercado por árvores, onde não é possível afundar, por mais que você se esforce para isso.
A pressão exercida pela água que jorra do lençol freático permite que as pessoas fiquem flutuando.  O nome desse fenômeno é Ressurgência. 
Atualmente existem por volta de 30 fervedouros no Jalapão, sendo 12 abertos à visitação.
Capacidade: 6 pessoas / 20 minutos de permanência

3.3 Fervedouro Encontro das Águas
Um dos meus favoritos! A pressão dele é bem forte tornando a experiência bem divertida.

Como não tinha outro grupo depois do nosso, ficamos mais tempo curtindo.



3.4 Fervedouro do Buriti

Laura encantada com os peixinhos:
Dia 4:
4.1 Fervedouro Buritizinho
4.2 Fervedouro Macaúbas
4.3 Fervedouro Por enquanto
4.4 Fervedouro Bela Vista 
4.5 Fervedouro Alecrim (à noite)
Hospedagem na pousada Recanto do Jalapão

4.1 Fervedouro Buritizinho
O menorzinho, mas com seu chame.
Eu não curti tanto pois, ele é fundo. Não dava é pra mim.

Capacidade 6 pessoas - 20 minutos de permanência.

4.2 Fervedouro Macaúbas
Também ganhou meu coração.
Ele também tem bastante pressão e bordas rasinhas para fotos.

Capacidade 10 pessoas - 20 minutos de permanência
4.3 Fervedouro Por enquanto
Neste fervedouro também tem um restaurante. Então, deu para almoçar e ao mesmo tempo conhecer mais um. Ficamos bastante tempo nele também, pois não havia outro grupo.
4.4 Fervedouro e pousada Bela Vista
O mais "famoso". Conta com um deck para fotos, uma pousada e lojinha de souvenirs.
Por ser fervedouro-pousada, seus hóspedes também podem se banhar cedinho antes dos turistas começarem a chegar e a noite.
 
Momento tal mãe, tal filha:

4.5 Fervedouro do Alecrim
Íamos visitá-lo no último dia, mas resolvemos antecipar para ter a experiência de visitar um fervedouro a noite - o que eu achei que só fosse possível no Fervedouro Bela Vista.
Ah, sem pagar nada a mais por isso.
Dia 5 
5.1 Cachoeira das Araras
último dia de viagem e eu já estava cansada e sem vontade de enfrentar essa cachu - a única com água gelada (normal de cachoeiras). Mas a Laura continuava aproveitando...

5.2 Enquanto ficávamos na cachoeira, Fred foi fazer o Raftig
Como mencionei anteriormente, o valor é pago à parte - R$ 200 por pessoa.
R$ 20 - fotos pagas ao fotógrafo (opcional).



5.3 Depois de almoçar, seguimos viagem até Palmas. 
Mas antes, uma parada na estrada para fotos na Serra da Catedral.
Para encerrar,
um pouquinho da comida e artesanato local:

A comida: Não espere um banquete! A comida é simples, local, caseira.
Não há muita variedade: sempre há macarrão, arroz, feijão marrom, frango / carne, farofa e salada.A comida é gostosa, tem seu sabor.
Pra Laura eu sempre pedia um ovinho mexido para revesar com frango, já que ela não mastiga bem carnes.

Há bastante sorvetes e sucos de frutas locais.
O artesanato:Praticamente tudo feito em CAPIM DOURADO - típico da região. 
Tem cestos, porta trecos/jóias (comprei um pequeno por R$ 32), anéis, brincos, pulseiras, imã de geladeira (R$10 cada) e consegui encontrar copinho de tequila na lojinha da Pousada e Fervedouro Bela Vista. Lá também tinham outros artigos, como camisas, bonés.

Até a próxima!
Mais dicas e fotos no instagram @mundomarcelle







Comentários